Marca do CRQ para impressão
Disponível em <https://crqsp.org.br/usp-tera-a-primeira-estacao-de-hidrogenio-renovavel-a-partir-do-etanol-do-mundo/>.
Acesso em 17/04/2024 às 05h15.

USP terá a primeira estação de hidrogênio renovável a partir do etanol do mundo

USP terá a primeira estação de hidrogênio renovável a partir do etanol do mundo

Com inauguração prevista para o segundo semestre de 2024, unidade produzirá 4,5 quilos de combustível por hora

11 de agosto de 2023, às 18h42 - Tempo de leitura aproximado: 4 minutos

 

A cerimônia de lançamento da planta da estação de reabastecimento de hidrogênio aconteceu nesta quinta-feira, 10 de agosto, na Escola Politécnica – Foto: Cecília Bastos/USP Imagens

 

A Cidade Universitária, onde está instalada a Universidade de São Paulo (USP), abrigará a primeira estação experimental de abastecimento de hidrogênio renovável a partir de etanol do mundo. A planta-piloto ocupará uma área de 425 metros quadrados e terá capacidade de produzir 4,5 quilos de hidrogênio por hora, quantidade suficiente para abastecer até três ônibus e um veículo leve. A previsão é de que a estação experimental esteja operando no segundo semestre de 2024.

“Há anos a USP tem feito um esforço muito grande para que a inovação fizesse parte de sua agenda e estivesse presente em todos os seus ambientes. O momento atual é muito propício, e é cada vez mais clara a importância da interação entre o governo, as empresas, as universidades, os empreendedores e as agências de financiamento de capital de risco para gerar conhecimento e inovação, transformando o Brasil em um país mais inclusivo, mais desenvolvido do ponto de vista econômico, social e ambiental”, afirmou o reitor Carlos Gilberto Carlotti Junior, na cerimônia que marcou o lançamento da planta-piloto da estação, realizada nesta quinta-feira, dia 10 de agosto, no auditório do prédio da Engenharia Mecânica da Escola Politécnica (Poli).

A iniciativa surge como uma solução de baixo carbono para o transporte pesado, incluindo caminhões e ônibus. Os veículos deixarão de utilizar diesel e os tradicionais motores a combustão interna para começar a usar hidrogênio produzido a partir do etanol e motores equipados com células a combustível (fuell cell).

O hidrogênio produzido na estação vai abastecer os ônibus cedidos pela Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo (EMTU), que circularão exclusivamente dentro da Cidade Universitária, e também um veículo Mirai, cedido pela Toyota Brasil para testar a performance do hidrogênio.

“Tenho muito orgulho em saber que o primeiro reformador do mundo capaz de transformar etanol em hidrogênio, nessa escala, está sendo construído aqui no Brasil, em São Paulo, na USP. É um protagonismo muito grande do Estado de São Paulo e temos tudo para liderar o processo de transição energética, diminuindo a pegada de carbono, sendo um exemplo de sustentabilidade e economia circular para o mundo”, afirmou o governador Tarcísio de Freitas.

O presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), Marco Antonio Zago, ressaltou que “a ciência tem seu tempo. Esse projeto começou há mais ou menos 10 anos e só agora estão surgindo os primeiros resultados inovadores relevantes. Para dar suporte financeiro a projetos de longo prazo promissores como esse, é fundamental que as agências financiadoras tenham estabilidade ao longo do tempo. Curiosamente, no Brasil, apenas a Fapesp tem essa condição garantida pela legislação e pelo apoio constante do governo do Estado”.

 

O governador Tarcísio de Freitas testou um carro movido hidrogênio. – Foto: Cecília Bastos/USP Imagens

 

Transformando etanol em hidrogênio

 

A estação de abastecimento é resultado de um projeto de pesquisa desenvolvido pelo Centro de Pesquisa para Inovação em Gases de Efeito Estufa (RCGI) da Poli, em parceria com a Shell Brasil, a Raízen, Hytron, Senai Cetiqt e Toyota.

No conjunto de equipamentos que serão instalados na estação haverá um reformador a vapor, capaz de converter o etanol em hidrogênio por meio de um processo químico denominado “reforma a vapor”, que é quando o etanol, submetido a temperaturas e pressões específicas, reage com água dentro de um reator.

“A Shell é a companhia privada que mais investe em pesquisa e desenvolvimento no Brasil e esse projeto se encaixa perfeitamente na estratégia global da Shell, que se comprometeu a investir em pesquisas na área de energia renovável e combustíveis de baixa intensidade de carbono. Tenho a certeza de que, ao unirmos instituições fortes, com conhecimento técnico e a capacidade do brasileiro de ser criativo, estamos fadados ao sucesso”, afirmou o presidente da Shell Brasil, Cristiano da Costa.

Ao longo do funcionamento da estação experimental, os pesquisadores vão validar os cálculos sobre as emissões e custos do processo de produção de hidrogênio.

Para o diretor-geral do RCGI, Julio Meneghini, “o Brasil tem condições de ser um dos líderes mundiais na pesquisa de combustíveis renováveis pelo de fato de conseguirmos aliar agricultura, energia e engenharia, áreas do conhecimento que se tornarão cada vez mais importantes para vencer os desafios impostos pelas mudanças climáticas”.

Com sede na Poli, o RCGI é um centro de pesquisa em engenharia que desenvolve pesquisas voltadas para o uso sustentável de gás natural, biogás, hidrogênio, gestão, transporte, armazenamento e uso de CO2.

 

Com informações de Erika Yamamoto, do Jornal da USP

 

 

Compartilhar