Marca do CRQ para impressão
Disponível em <https://crqsp.org.br/live-falou-sobre-o-plano-de-seguranca-de-agua/>.
Acesso em 13/04/2024 às 18h27.

Live falou sobre o Plano de Segurança da Água

Live falou sobre o Plano de Segurança da Água

11 de março de 2024, às 18h13 - Tempo de leitura aproximado: 2 minutos

Dando início a programação em homenagem ao Dia Mundial da Água, comemorado pela Organização das Nações Unidas (ONU) no dia 22 de março, o CRQ-IV/SP realizou hoje uma live sobre tema de grande relevância: o Plano de Segurança da Água (PSA). Trata-se de um instrumento que identifica perigos e riscos em sistemas de abastecimento de água, desde o manancial até o consumidor, com o objetivo de estabelecer medidas de controle para reduzi-los ou eliminá-los, bem como estabelecer processos para aferir a eficiência da gestão preventiva.

O tema foi apresentado pela Engenheira Química Daiane Porto, especialista na área de Saneamento e Tratamento de Água e Efluente. Segundo ela, em 2005 a ONU começou a fazer recomendações sobre o tema, mas a implantação do PSA no Brasil ainda está em fase inicial, concentrada nas regiões Sul e Sudeste.

Como explicou a palestrante, a metodologia PSA abrange desde etapas iniciais, como formação de equipe, levantamento de dados, definição do cronograma de desenvolvimento e implementação; etapas intermediárias, como identificação dos riscos, pontos críticos e medidas de controle; e etapas finais, como monitoramento, auditoria e revisão do PSA.

Um bom Plano de Segurança de Água precisa ser realista e possível de ser colocado em prática, propondo medidas de controle e ações corretivas que permitam o aumento da segurança da água no curto prazo.

 

 

Daiane ressaltou que a preservação dos mananciais também faz parte dos pilares da segurança da água. A presença de microrganismos patogênicos, metais pesados, compostos odoríferos, entre outros contaminantes podem representar perigo e impactar diretamente no tratamento e segurança da água. Segundo ela, nos últimos anos também se observa a presença de outros contaminantes orgânicos emergentes perigosos, como agrotóxicos, hormônios, antibióticos, produtos de higiene pessoal, aditivos industriais, entre outros.

A presença dos profissionais da Química, como lembrou a palestrante, é fundamental em diversas etapas do PSA, como análise de risco, descrição da bacia de captação – ou seja, como está o manancial, quais os contaminantes que ele apresenta – , tratamento da água, sistema de distribuição, entre outros.

 

 

Por fim, ela apresentou dados do Trata Brasil (2021) que mostram que apenas 54,1% da população é atendida com coleta de esgoto e apenas 49,1% do esgoto gerado é tratado.  “Nós ainda estamos com uma situação crítica do saneamento no brasil, por isso é muito importante falar do PSA, ele necessário para a nossa saúde e nós temos que correr para que todos tenham acesso a ele de forma equitativa”, concluiu Daiane.

O encontro foi apresentado por Aislan Balza, coordenador das Comissões Técnicas do Conselho, e mediado pela Engenheira Química Catarina Sandor, especialista em Gestão Ambiental e membro da Comissão Técnica de Divulgação.

Ao final do evento, uma série de dúvidas foram respondidas pelos palestrantes. A live segue disponível neste link.

Dando sequência a programação em comemoração ao Dia Mundial da Água, no dia 20 de março o XXII Fórum de Recursos Hídricos do CRQ-IV/SP falará sobre água de reúso. Além disso, nos dias 25 e 26 de março será promovido o curso Tratamento de água para a indústria cosmética.

Compartilhar