Marca do CRQ para impressão
Disponível em <https://crqsp.org.br/conselheira-alerta-para-riscos-de-misturas-de-produtos-de-limpeza/>.
Acesso em 23/05/2024 às 05h43.

Conselheira alerta para riscos de misturas de produtos de limpeza

Conselheira alerta para riscos de misturas de produtos de limpeza

Em entrevista ao G1, Ana Maria da Costa Ferreira afirmou que misturas podem liberar gases tóxicos

6 de outubro de 2023, às 10h49 - Tempo de leitura aproximado: 2 minutos

Consumidor deve se orientar pelas instruções de uso contidas nos rótulos e não comprar produtos piratas. Foto: Freepik

 

A professora Ana Maria da Costa Ferreira, do Instituto de Química da USP e conselheira do CRQ-IV/SP, foi das especialistas consultadas para uma reportagem veiculada pelo site G1 e que tratou dos riscos de o consumidor não observar as instruções dos rótulos e misturar produtos de limpeza para tentar potencializá-los.

Segundo diz a reportagem, é comum encontrar dicas de misturas de produtos de limpeza na internet com promessas de resultados milagrosos na hora da faxina. O problema é que essas combinações podem causar o efeito oposto, cortando a eficácia dos produtos envolvidos, ou pior: podem causar sérios danos à saúde.

A mistura pode tirar as propriedades dos produtos, explica Ana Maria da Costa Ferreira. Foto:  Arquivo

“Na química, as substâncias sempre tendem ao equilíbrio, então, se dois produtos forem misturados, eles podem neutralizar um ao outro, tirando as propriedades de limpeza”, explica Ana Maria Ferreira.

Além disso, a neutralização pode fazer com que as substâncias usadas na confecção de produtos de limpeza sejam liberadas no ar.

Por exemplo: a água sanitária é feita com gás cloro – que causa asfixia no ser humano – borbulhado na água e estabilizado com soda, o que deixa a solução altamente alcalina. Combiná-la com produtos mais ácidos, como o vinagre, pode reverter a reação e soltar o gás tóxico no ambiente.

Apesar que algumas misturas pareçam não ser perigosas, não adianta querer usá-las achando que a limpeza será mais eficaz, salienta a matéria do G1. Mesmo sem liberar gases tóxicos, a reação química ainda acontece e os produtos perdem parte das substâncias responsáveis pela ação da limpeza.

É o caso da combinação entre vinagre e bicarbonato de sódio, por exemplo. “O bicarbonato é formado pelo acréscimo de gás CO2 na água. Com o vinagre, ele vai ficar mais ácido e liberar o CO2”, explica a conselheira do CRQ-IV/SP. “Pode não causar tanto problema, pois já vivemos respirando esse gás na atmosfera, mas enfraquece as propriedades dos dois produtos”, completa a especialista.

Clique aqui para ler a íntegra da reportagem.

Parceria – Desde o ano passado, o Conselho Federal de Química e Associação Brasileira das Indústrias de Produtos de Higiene, Limpeza e Saneantes de Uso Doméstico e de Uso Profissional (Abipla) formalizaram uma parceria para alertar a população sobre os riscos das misturas caseiras. As entidades fizeram workshops para a mídia, apresentações em congressos técnicos, científicos e em algumas escolas. Também lançaram o jogo “Mistura Explosiva”, que ensina de forma lúdica suas aplicações, a importância de o consumidor ler as instruções contidas nos rótulos e, principalmente, não comprar produtos piratas, que são aqueles geralmente acondicionados em garrafas pet, sem qualquer identificação do fabricante e, por tais razões, sem registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Clique aqui para mais informações sobre esta iniciativa.

 

 

Compartilhar