Marca do CRQ para impressão
Disponível em <https://crqsp.org.br/audiencia_hverde/>.
Acesso em 18/05/2024 às 19h20.

CRQ participa de audiência sobre hidrogênio sustentável

CRQ participa de audiência sobre hidrogênio sustentável

Em pauta o uso do hidrogênio sustentável pela indústria

9 de maio de 2023, às 16h29 - Tempo de leitura aproximado: 2 minutos

Hidrogênio verde pode ser obtido pela eletrólise da água mas com eletricidade de fontes renováveis, como as energias solar e eólica. Foto:Freepik

 

A Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados promove uma audiência pública nesta quinta-feira (11), às 15 h, para discutir a utilização de hidrogênio sustentável pela indústria brasileira.

O presidente do CRQ-IV/SP, Hans Viertler, foi convidado a participar do debate, mas em virtude de outros compromissos enviará como representante o Bacharel em Química Aislan Balza, um dos coordenadores das Comissões Técnicas do Conselho, entre elas a de energia.

Balza falará sobre as iniciativas tomadas pelo Conselho para fomentar a sustentabilidade energética, como a aproximação com a Associação Brasileira de Hidrogênio, iniciada no ano passado, e a adoção do Selo Hidrogênio Verde nos textos técnicos e de divulgação publicados pelo CRQ-IV/SP sobre as iniciativas relacionadas ao tema.

Em novembro do ano passado, o Conselho reuniu especialistas numa live em seu canal no YouTube. A produção de hidrogênio verde foi abordada especificamente por Yvan Asencios, Engenheiro Químico e professor da Universidade Federal de São Paulo. Asencios explicou que esse hidrogênio é produzido a partir de uma matéria-prima renovável e de uma fonte renovável de energia. Entre os processos empregados na sua produção está a eletrólise da água. O especialista acrescentou que a energia renovável pode ser a solar, hidrelétrica, geotérmica ou a gerada por biomassa. Clique aqui para assistir à integra da live.

A audiência pública foi solicitada pela deputada Renata Abreu, do Podemos-SP. Segundo ela, a matriz energética brasileira já se utiliza majoritariamente de fontes renováveis, sendo 61% gerados por hidrelétricas, mas ainda há muito a ser explorado em direção à sustentabilidade.

Também foram convidados para o encontro representantes do Conselho Federal de Química, da Confederação Nacional da Indústria (CNI), da Associação Brasileira de Hidrogênio e integrantes dos Ministérios das Minas e Energia e de Ciência, Tecnologia e Inovação.

Hidrogênio verde e hidrogênio azul

Um estudo da Confederação Nacional da Indústria identifica duas modalidades de produção de hidrogênio sustentável adequadas ao uso no setor industrial: o hidrogênio verde, produzido a partir de fontes renováveis, como a energia solar e a eólica, sem emissão de gases de efeito estufa; e o hidrogênio azul, obtido a partir do gás natural, que tem emissões reduzidas por meio da tecnologia de captura e armazenamento de carbono.

Citando um estudo da CNI, Renata Abreu informa que os setores industriais de refino de óleo e de fertilizantes estão entre os que mais se beneficiariam do uso imediato do hidrogênio sustentável. E no caso de setores como siderurgia, metalurgia, cimento e cerâmica, a adoção do hidrogênio sustentável poderia ocorrer a curto e médio prazos, segundo ela.

Além de descarbonizar a indústria nacional, a deputada também cita um possível acordo de parceria do Brasil com a Alemanha visando a exportação do hidrogênio sustentável à Europa.

A audiência poderá ser assistida ao vivo por este link.

 

 

Com informações da Agência Câmara de Notícias

 

Compartilhar